Nadinha de NADA!

Outro dia estava conversando com a Beca, que soltou uma frase muito simples, porém muito sábia: “Não sei… a gente, na verdade, nunca sabe“.

E essa é a grande triste verdade do mundo. Não sabemos NADA!

Nadinha de NADA!

Exemplos de como não sabemos de absolutamente nada são as questões que tenho desde criança (e que existe desde que o mundo é mundo), de onde vem o mundo? Se começou com o Big Bang, ótimo!!! Mas de onde vem o Big Bang? rs.. e de onde vem a poeira que iniciou a tal Grande Explosão?

Ótimo também é acreditar em Deus… mas de onde ele vem? Será que Deus tem algum amigo que também é um Deus e que cuida de outro mundo?

E nisso vem outra grande questão da minha existência (não só minha também): Existe vida em outro planeta!? Eu acredito demais que sim. E juro já ter visto alguma coisa nas minhas observações celestes. Mas fica a dúvida se eu vi mesmo… oh! Dúvidas.. Aiai

Na nossa vil existência também existem as dúvidas mundanas do tipo: Existe o verdadeiro amor? A alma gêmea? E se eu deixar ela partir sem tentar, não encontro outra?

Isso é realmente duro, não saber se a pessoa que você julgava ser a sua metade da laranja é realmente a metade da laranja. Pior se ela escapa das suas mãos, e agora? Viver sem o sapato velho… viver no vazio?

Ui.

Não não… pior que viver sem a metade da laranja é viver na dúvida.

Eu devia fazer isso? Será que existe a possibilidade daquilo acontecer?

E será que essa dúvida toda vale a pena? Porque, como dizem os sábios, a única certeza que temos é que vamos morrer. Morrer é certo… mas se existe algum tipo de existência após a morte é um outro mistério do mundo.

Acredito que a Beca diria que não existe, mas eu, pessoalmente, a citaria novamente: “Não sei… a gente, na verdade, nunca sabe“. E como saber? Só morrendo, e eu não sou tãããão curiosa assim, posso esperar com todas essas confusões do mundo… kkkkk

Lu