Gestos concretos

O post de hoje traz uma motivação grande e um objetivo nobre. Entre os vários amigos que temos por esse Brasil afora, uma pernambucana em especial hoje merece destaque. É a fisioterapeuta Viviane Xavier de Recife, que nos propôs divulgar o projeto de uma de suas pacientes, a jovem Yoko Farias que devido a um acidente sofreu uma lesão na coluna que a deixou tetraplégica.

Viviane como fisioterapeuta de Yoko respondeu a algumas perguntas feitas pelo Giz para nos esclarecer e apontar os meios que podemos contribuir com o avanço do tratamento e conseqüente evolução do quadro da Yoko.

Giz: Como aconteceu o acidente da Yoko?

Viviane Xavier: Ela estava trabalhando como monitora de um pula-pula em camas elásticas em um shopping fazia menos de uma semana, uma colega de trabalho a chamou pra pular e em certo momento a Yoko sentou na cama e depois deitou. A sua colega se desequilibrou e caiu de joelhos atingindo o pescoço da Yoko, fraturando as vértebras C5 e C6 deixando-a sem movimentos da altura do peito para baixo.

Viviane e Yoko durante a fisioterapia

Giz: Como começou o Projeto “Eu quero ver a Yoko na China!” e como é desenvolvido?

Viviane Xavier: Esse projeto foi feito antes de eu conhecer a Yoko onde muitos amigos se uniram para arrecadar dinheiro para que a Yoko conseguisse ir à China fazer parte de um tratamento experimental com células tronco. Nessa primeira fase ela foi com mais dois acompanhantes onde ela se manteve por quase um mês e pagou o tratamento. O importante é a continuação desse projeto, pois está previsto pra daqui seis meses o retorno dela para novas aplicações.

Giz: E qual a função da fisioterapia dentro do tratamento da Yoko?

Viviane Xavier: Da nossa parte, o tratamento é feito com fisioterapia motora e neurológica tradicional. Trabalhamos muito a repetição de movimentos que para muitos é simples, como rolar numa cama, ficar de quatro apoios e/ou de joelhos, mas como a Yoko é impossibilitada de fazer esses movimentos, usamos a repetição para formar o que chamamos de “engramas”, é como se fosse criada uma memória no cérebro, mesmo que ela não consiga andar fazemos os movimentos como se estivesse andando,  mesmo sem conseguir pentear os cabelos imitamos o movimentos de pentear e todos os outros movimentos que ficaram deficientes depois do acidente.   É também feito um trabalho de fortalecimento dos abdominais que é muito importante para que ela consiga manter uma boa postura sentada e futuramente de pé.

Giz: Como profissional, quais expectativas em relação ao tratamento da Yoko?

Viviane Xavier: Como profissional tenho que pensar no possível, certo? Então o que eu pretendo é proporcionar uma melhor qualidade de vida a Yoko, tornando mais funcional o que ela tem hoje de movimento, porém como esse tratamento com células-tronco  que ela se propôs a fazer é muito novo e não há relatos sobre ele, a expectativa é sempre para que o melhor aconteça. E eu também  acredito que Deus nos colocou no caminho uma da outra e sou um mero instrumento, sempre tentando e aprendendo com a vida.

Pois é, o Giz espera que esse post possa mover corações e realidades. Afinal, de que vale um universo de boas intenções se elas não gerarem gestos concretos? Agradecemos a Viviane que com seu exemplo de solidariedade também nos impulsiona deixarmos de lado o comodismo e fazermos a nossa parte! Obrigada Vi!

Para maiores informações e doações acesse o site http://www.yokonachina.com.br/

Giz colorido


Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s