Menos de mim

Então, fiz tudo que meu amor poderia fazer.
Madre Teresa de Calcutá


Que o cansaço não me roube a coragem de mais uma vez e de novo tentar. Que o silêncio que suplica fale sempre mais alto que o egoísmo que insiste em criar espaço e ser o dono do pedaço. E o amanhecer seja tão belo quanto o poente, mesmo quando for inverno na minha alma. E meus braços nunca apartem, do contrário, só alarguem. Que cada página virada aconteça por que não comporta tanta  felicidade e por isso gentilmente convidou a página seguinte para participar da sua alegria. E eu me comova mais vezes com a beleza dos gestos simples e me esqueça com naturalidade das indelicadezas. Que a fonte da minha inspiração sempre sejam os corações fortes que não desistem de lutar. Mas se eles desistirem, que eu possa carregá-los nos ombros. E que nunca, nunca os deixe no meio do caminho. Que as persianas do coração se abram para vislumbrar a fantástica chegada da primavera. E que eu seja desapegada com as folhas que já secas ficaram no chão. Que minha face enrusbeça de contentamento pelo sorriso inesperado e que sobretudo possa o sorriso ser retribuído com um ramalhete de amabilidades. Que eu me esqueça das minhas dores por saber e sentir com aquele que sofre mais do que eu. E que assim eu me lembre que ainda tenho incontáveis motivos para ser feliz. Que ser menos de mim me torne melhor para o outro. E então eu possa reconhecer nele o melhor de mim.

Lice



Anúncios

Gestos concretos

O post de hoje traz uma motivação grande e um objetivo nobre. Entre os vários amigos que temos por esse Brasil afora, uma pernambucana em especial hoje merece destaque. É a fisioterapeuta Viviane Xavier de Recife, que nos propôs divulgar o projeto de uma de suas pacientes, a jovem Yoko Farias que devido a um acidente sofreu uma lesão na coluna que a deixou tetraplégica.

Viviane como fisioterapeuta de Yoko respondeu a algumas perguntas feitas pelo Giz para nos esclarecer e apontar os meios que podemos contribuir com o avanço do tratamento e conseqüente evolução do quadro da Yoko.

Giz: Como aconteceu o acidente da Yoko?

Viviane Xavier: Ela estava trabalhando como monitora de um pula-pula em camas elásticas em um shopping fazia menos de uma semana, uma colega de trabalho a chamou pra pular e em certo momento a Yoko sentou na cama e depois deitou. A sua colega se desequilibrou e caiu de joelhos atingindo o pescoço da Yoko, fraturando as vértebras C5 e C6 deixando-a sem movimentos da altura do peito para baixo.

Viviane e Yoko durante a fisioterapia

Giz: Como começou o Projeto “Eu quero ver a Yoko na China!” e como é desenvolvido?

Viviane Xavier: Esse projeto foi feito antes de eu conhecer a Yoko onde muitos amigos se uniram para arrecadar dinheiro para que a Yoko conseguisse ir à China fazer parte de um tratamento experimental com células tronco. Nessa primeira fase ela foi com mais dois acompanhantes onde ela se manteve por quase um mês e pagou o tratamento. O importante é a continuação desse projeto, pois está previsto pra daqui seis meses o retorno dela para novas aplicações.

Giz: E qual a função da fisioterapia dentro do tratamento da Yoko?

Viviane Xavier: Da nossa parte, o tratamento é feito com fisioterapia motora e neurológica tradicional. Trabalhamos muito a repetição de movimentos que para muitos é simples, como rolar numa cama, ficar de quatro apoios e/ou de joelhos, mas como a Yoko é impossibilitada de fazer esses movimentos, usamos a repetição para formar o que chamamos de “engramas”, é como se fosse criada uma memória no cérebro, mesmo que ela não consiga andar fazemos os movimentos como se estivesse andando,  mesmo sem conseguir pentear os cabelos imitamos o movimentos de pentear e todos os outros movimentos que ficaram deficientes depois do acidente.   É também feito um trabalho de fortalecimento dos abdominais que é muito importante para que ela consiga manter uma boa postura sentada e futuramente de pé.

Giz: Como profissional, quais expectativas em relação ao tratamento da Yoko?

Viviane Xavier: Como profissional tenho que pensar no possível, certo? Então o que eu pretendo é proporcionar uma melhor qualidade de vida a Yoko, tornando mais funcional o que ela tem hoje de movimento, porém como esse tratamento com células-tronco  que ela se propôs a fazer é muito novo e não há relatos sobre ele, a expectativa é sempre para que o melhor aconteça. E eu também  acredito que Deus nos colocou no caminho uma da outra e sou um mero instrumento, sempre tentando e aprendendo com a vida.

Pois é, o Giz espera que esse post possa mover corações e realidades. Afinal, de que vale um universo de boas intenções se elas não gerarem gestos concretos? Agradecemos a Viviane que com seu exemplo de solidariedade também nos impulsiona deixarmos de lado o comodismo e fazermos a nossa parte! Obrigada Vi!

Para maiores informações e doações acesse o site http://www.yokonachina.com.br/

Giz colorido


Um dia você aprende…

Depois de algum tempo você aprende a diferença, a sutil diferença entre dar a mão e acorrentar uma alma. E você aprende que amar não significa apoiar-se, e que companhia nem sempre significa segurança ou proximidade. E começa aprender que beijos não são contratos, tampouco promessas de amor eterno. Começa a aceitar suas derrotas com a cabeça erguida e olhos radiantes, com a graça de um adulto – e não com a tristeza de uma criança. E aprende a construir todas as suas estradas no hoje, pois o terreno do amanhã é incerto demais para os planos, ao passo que o futuro tem o costume de cair em meio ao vão.

Depois de um tempo você aprende que o sol pode queimar se ficarmos expostos a ele durante muito tempo. E aprende que não importa o quanto você se importe: algumas pessoas simplesmente não se importam… E aceita que não importa o quão boa seja uma pessoa, ela vai ferí-lo de vez em quando e, por isto, você precisa estar sempre disposto a pedoá-la.

Aprende que falar pode aliviar dores emocionais. Descobre que se leva um certo tempo para construir confiança e apenas alguns segundos para destruí-la; e que você, em um instante, pode fazer coisas das quais se arrependerá para o resto da vida. Aprende que verdadeiras amizades continuam a crescer mesmo a longas distâncias, e que, de fato, os bons e verdadeiros amigos foram a nossa própria família que nos permitiu conhecer. Aprende que não temos que mudar de amigos: se compreendermos que os amigos mudam (assim como você), perceberá que seu melhor amigo e você podem fazer qualquer coisa, ou até coisa alguma, tendo, assim mesmo, bons momentos juntos.

Descobre que as pessoas com quem você mais se importa na vida são tomadas de você muito cedo, ou muito depressa. Por isso, sempre devemos deixar as pessoas que verdadeiramente amamos com palavras brandas, amorosas, pois cada instante que passa carrega a possibilidade de ser a última vez que as veremos; aprende que as circunstâncias e os ambientes possuem influência sobre nós, mas somente nós somos responsáveis por nós mesmos; começa a compreender que não se deve comparar-se com os outros, mas com o melhor que se pode ser.

Descobre que se leva muito tempo para se tornar a pessoa que se deseja tornar, e que o tempo é curto. Aprende que não importa até o ponto onde já chegamos, mas para onde estamos, de fato, indo – mas, se você não sabe para onde está indo, qualquer lugar servirá.

Aprende que: ou você controla seus atos e temperamento, ou acabará escravo de si mesmo, pois eles acabarão por controlá-lo; e que ser flexível não significa ser fraco ou não ter personalidade, pois não importa o quão delicada ou frágil seja uma situação, sempre existem dois lados a serem considerados, ou analisados.

Aprende que heróis são pessoas que foram suficientemente corajosas para fazer o que era necessário fazer, enfrentando as conseqüências de seus atos. Aprende que paciência requer muita persistência e prática. Descobre que, algumas vezes, a pessoa que você espera que o chute quando você cai, poderá ser uma das poucas que o ajudará a levantar-se. (…) Aprende que não importa em quantos pedaços o seu coração foi partido: simplesmente o mundo não irá parar para que você possa consertá-lo. Aprende que o tempo não é algo que possa voltar atrás. Portanto, plante você mesmo seu jardim e decore sua alma – ao invés de esperar eternamente que alguém lhe traga flores. E você aprende que, realmente, tudo pode suportar; que realmente é forte e que pode ir muito mais longe – mesmo após ter pensado não ser capaz. E que realmente a vida tem seu valor, e, você, o seu próprio e inquestionável valor perante a vida.

——-Willian Shakespeare


Eu não tenho certeza se é de Shakespeare, mas encontrei esse belíssimo texto como se fosse dele. Mas, realmente não importa quem fala, importam as lindas palavras… e importa que elas tragam PAZ…

Espero que gostem…


Lu

meditar…

Às vezes

Quando o mundo parece barulhento demais

Quando o coração se inquieta sem motivos

Quando as coisas estão difíceis de suportar

É preciso respirar fundo…

Volta e meia

Perdemos a paciência por coisas pequenas

Deixamos de lado coisas importantes

Esquecemos que a vida é finita e frágil

É preciso voltar a si mesmo…

Quando tudo parece confuso

Nossa alma no limite do caos

Quando olhamos mas não vemos

A beleza do mundo ao nosso redor

Necessitamos de vida

Carecemos contemplar o mundo

Carecemos de ar, de sentir

Olhar um céu abarrotado de estrelas

Parar um pouco, olhar por nós

E meditar…


Uma musiquinha linda e calma para acompanhar…


Lu

Ipê

Não é a primeira vez que em algum post faço referência ao Ipê, visto que descobri-me enamorada. Tudo o que colore, cabe aqui nesse cantinho. Recebi essa imagem da Ana, que me causou tanta admiração que considerei  egoísmo demais guardá-la só para mim.
Abaixo, vai uma poesia também cheia de beleza e delicadeza! Espero que gostem!

Quando flora o Ipê

Como é bonito ver o ipê que flora,
  Pelo cerrado no mês de agosto.
  Com tanta seca, tanto cinza exposto
  E tanta aridez pelo campo afora,
  
  O Amarelo-Roxo, abre, revigora
  Feito um doce alento a bater no rosto
  Como se Deus ali tivesse posto
  Um sopro de vida, num mundo que chora.
  
  Olhando o cerrado, penso agora em mim!
  Ando distorcido, ando tão descrente
  Como há muito tempo, não me via assim.
  
  Mas minha cabeça, esperançosa vê,
  Que no meio de tudo in-sis-ten-te-men-te
  …Flora lá bem longe…um pequenino ipê...
Jenário de Fátima

Lice

Distraída

“Se você não se distrai…”

Distraída!
Fitando o superficial.
Inverto os pólos, sem profundidade e atenta ao aparente.
Leviano.
Inconstante.

Relapsa, indisposta e impaciente com o imprescindível.
Sedenta do enlevo do imediato, sempre raso de detalhes pela pressa de fatos, atos.
Talvez cansaço só.
Cansaço de acreditar.
[Só sobram dívidas não sanadas. Promessas não cumpridas.]

Talvez ainda o olhar que me fita, me acalme.
E o riso me acalente.
E marquemos pra tomar um chá de esperança, sob a sombra de um ipê.
E eu me encante e me encontre.
Distraída com você.

Lice

Renovará

Quando o seu universo for de palavras poucas

O silêncio de uma paz profunda
De delicadeza feito o sorriso
E sem distinção o abraço.

Quando o fardo se tornar suave
O desconhecido for um velho amigo
E essencial for somente o necessário
Talvez o mundo mude.

Mas se ele não mudar, não se preocupe..

Dentro de você, sim.

Tudo se renovará.


Lice