Pôr-do-sol

Há muito tempo que não via um pôr-do-sol com tranqüilidade, a vida pós-moderna deixa a gente sem tempo, né?

Porém hoje, depois de ter jogado bola descalça, e comer pipoca com guaraná no jardim, assisti um pôr-do-sol, serenamente, sentada na grama.

Como é único, lindo, radiante. Ver o sol laranja descer lentamente atrás da Serra. Que maravilhoso!

Uma paz… Ver o céu mudando de cores, os raios do sol pela nuvens, fazendo-as mudar de tons a cada segundo. A natureza é mesmo mágica. Quem pode duvidar de seu poder?

Eu pensei comigo: como pude deixar de assistir essa cena incrível por tanto tempo? E logo me defendi: minha vida anda tão corrida, trabalho, estudo…

Mas até quando vale a pena perder algo assim? Viver andando de um lado para o outro, sem poder assistir um pôr-do-sol desses?

É de se pensar… uma coisa simples… poucos minutos da vida corrida “perdidos”, mas um imenso sorriso ganho, PAZ por uma noite inteira!

Acho que devemos cuidar melhor do nosso espírito, VIVER, em todos os sentidos, e aguçar os sentidos. Ter atenção nas coisas simples e “grátis”… a natureza é muito rica de detalhes, que passam despercebidos.

Vale a pena prestar mais atenção, o mundo é a nossa casa.

“Tenho aprendido com o tempo que a felicidade vibra na frequência das coisas mais simples.”

Ana Jácomo


Lu

Amor de Amigo

Ser amigo não é coisa de um dia…
São gestos, por mais simples que sejam. É um olhar verdadeiro, que não se esconde quando vai dizer o que realmente pensa.
É um colo pras nossas lágrimas, quando não temos coragem de chorar nem diante de nós mesmos.
Amigo é palavra sincera que nos constrói a cada passo, rumo à verdade de cada um.
É um sorriso no rosto, depois de tudo isso sendo vivido. Amigo nos dá vida…
Ser amigo é saber dar um abraço demorado, sem medo do amor que brota… Abraçando e acolhendo nossa vida inteira…
Pensar nos amigos faz a gente até respirar fundo, pra abrir mais espaço, pra que todos caibam confortavelmente, do jeito que são…
Há uma casa dentro de nós que se chama saudade, nessa casa só moram as coisas mais simples, porque as mais simples são as eternas…
E com certeza nesta casa, estão os nossos eternos amigos.
Há amigo que nos devolve a vida que perdemos pela estrada apenas num olhar, num abraço verdadeiro, numa lágrima que cai quando não se sabe o que dizer.
Aprender a amar; esta é uma arte que exige virtuose, treino, disciplina e nunca desistir. A desistência não existe para o amor, pois ele não se cansa. O amor descansa no sofrimento; pois é exatamente aí que o coração conhece suas limitações e se entrega; a mão de Deus se aproxima e tudo se acalma.
Um coração humilde e contrito atrai misericórdia. O amor sofre e é forjado na dor, mas nunca desiste. Quem desiste de amar sente o amargo gosto da solidão frustrada, sem espera, sem sonhos, sem olhos pro mar… Desistir é uma palavra feia que acompanha suspiro de decepção e tristeza. Desistir não combina com amizade…
Amo o rosto com feições de coragem e luta de meus amigos no meio do “contra”; é rosto não de quem sobrevive, mas de quem ama a vida loucamente e não quer perdê-la aos poucos.
Nesta hora vejo os olhos de Jesus; silenciosamente me abraçando com seu divino olhar; me dizendo tudo o que preciso ouvir, sem desistir; me tirando do túmulo de minhas dúvidas, imperfeições e exigências.
Perfeccionismo mata.
Amor ressuscita.
Amigo descansa.

(Ziza Fernandes)

Bem, é isso. Gratidão a Deus, amigo sempre presente que me mostra como o amor autêntico é cheio de generosidade e assim me presenteia com tantos outros amigos, longe e perto, ausentes e presentes.

Dedicação especial à Juliana.. uma amiga que há um tempo não nos vemos mais.. mas, sei que teremos toda a eternidade para matar a saudade!

Afinal: ETERNAMENTE RESPONSÁVEIS!

Meu amor e minha eterna gratidão a  vocês!

Lice

EU ADORO VOAR!

Já escondi um AMOR com medo de perdê-lo, já perdi um AMOR por escondê-lo.

Já segurei nas mãos de alguém por medo, já tive tanto medo, ao ponto de nem sentir minhas mãos.

Já expulsei pessoas que amava de minha vida, já me arrependi por isso.

Já passei noites chorando até pegar no sono, já fui dormir tão feliz, ao ponto de nem conseguir fechar os olhos.

Já acreditei em amores perfeitos, já descobri que eles não existem.

Já amei pessoas que me decepcionaram, já decepcionei pessoas que me amaram.

Já passei horas na frente do espelho tentando descobrir quem sou, já tive tanta certeza de mim, ao ponto de querer sumir.

Já menti e me arrependi depois, já falei a verdade e também me arrependi.

Já fingi não dar importância às pessoas que amava, para mais tarde chorar quieta em meu canto.

Já sorri chorando lágrimas de tristeza, já chorei de tanto rir.

Já acreditei em pessoas que não valiam a pena, já deixei de acreditar nas que realmente valiam.

Já tive crises de riso quando não podia.

Já quebrei pratos, copos e vasos, de raiva.

Já senti muita falta de alguém, mas nunca lhe disse.

Já gritei quando deveria calar, já calei quando deveria gritar.

Muitas vezes deixei de falar o que penso para agradar uns, outras vezes falei o que não pensava para magoar outros.

Já fingi ser o que não sou para agradar uns, já fingi ser o que não sou para desagradar outros.

Já contei piadas e mais piadas sem graça, apenas para ver um amigo feliz.

Já inventei histórias com final feliz para dar esperança a quem precisava.

Já sonhei demais, ao ponto de confundir com a realidade… Já tive medo do escuro, hoje no escuro “me acho, me agacho, fico ali”.

Já cai inúmeras vezes achando que não iria me reerguer, já me reergui inúmeras vezes achando que não cairia mais.

Já liguei para quem não queria apenas para não ligar para quem realmente queria.

Já corri atrás de um carro, por ele levar embora, quem eu amava.

Já chamei pela mamãe no meio da noite fugindo de um pesadelo. Mas ela não apareceu e foi um pesadelo maior ainda.

Já chamei pessoas próximas de “amigo” e descobri que não eram…

Algumas pessoas nunca precisei chamar de nada e sempre foram e serão especiais para mim.

Não me dêem fórmulas certas, porque eu não espero acertar sempre.

Não me mostre o que esperam de mim, porque vou seguir meu coração!

Não me façam ser o que não sou, não me convidem a ser igual, porque sinceramente sou diferente!

Não sei amar pela metade, não sei viver de mentiras, não sei voar com os pés no chão.

Sou sempre eu mesma, mas com certeza não serei a mesma pra SEMPRE!

Gosto dos venenos mais lentos, das bebidas mais amargas, das drogas mais poderosas, das idéias mais insanas, dos pensamentos mais complexos, dos sentimentos mais fortes.

Tenho um apetite voraz e os delírios mais loucos.

Você pode até me empurrar de um penhasco q eu vou dizer:
– E daí? EU ADORO VOAR!

Clarice Lispector

FRIDA

Muito tempo que não faço um “post-aula”, como a Lice diz. Bem… voltando aos artistas que adoro, aproveito então que na revista BRAVO desse mês, saiu uma matéria incrível sobre a mexicana Frida Kahlo (por Gisele Kato), por muitos considerada a pintora do século.

O subtítulo da matéria diz: “Frida Kahlo beneficiou-se de sua vida intensa para se firmar como uma das maiores artistas do século 20”. Quem conhece as obras de Frida logo percebe isso, obras intensas, marcantes, dramáticas.

Frida nasceu em 1907. Começou a pintar com 18 anos, depois que sofreu um terrível acidente de trânsito, em que um cano de ferro a perfurou do ventre e saiu na vagina. Ficou muito mal, perdeu muito sangue. E, durante a recuperação, sua mãe arrumou um modo dela pintar na cama, com um espelho na frente para que ela fosse seu próprio modelo. Talvez seja por esse motivo que a grande obra de Frida seja os auto-retratos.

Quatro anos mais tarde, Frida casa-se com o pintor já afamado Diogo Rivera. Um homem infiel por natureza, que deixa a vida da pintora ainda mais conturbada.

Muitas obras de Frida tem uma exibição dos sofrimentos causados pelo seu casamento com Diego, e essa é a grande poética de Frida. Acho que se ela fosse feliz não seria uma pintora tão aclamada. RS

Sua vida conturbada rende sempre grandes livros e filmes. O que recomendo é “FRIDA” de Julie Taymor (2002), com Salma Hayek e Alfred Molina interpretando o casal. Um filme interessantíssimo com uma bela fotografia. O trailler ai embaixo, vale a pena.

Luiza

…coisas extraordinárias…

Andei recordando…

Quando eu era criança

Sonhava ser Astronauta,

Queria viajar no espaço,

Chegar perto das estrelas,

Descobrir coisas extraordinárias…

No fim virei artista!

Como? Não sei exatamente!

Por quê? Destino, talvez. RS

Assim mesmo sou realizada:

Viajo pelos espaços das obras,

Navego entre cores e formas,

Trafego entre imagens.

E eu descubro, sim, coisas extraordinárias!

Caminho por artes nebulosas,

Experimentos sensações incríveis.

Não fui astronauta, como sonhava

Todavia, como artista,

sou SEMIONAUTA

Invento trajetórias entre signos,

Crio caminhos.

Faço arte!

Lu

Cores randômicas

O post de hoje tem um brilho multicolorido todo especial. Um brilho que não é de modo algum invisível aos olhos. Muito pelo contrário, é tão irradiante e deslumbrante que à quilômetros de distância qualquer um que passe se sente circundado por uma luz que irradia do “tum tum tum” de uma linda moça que mora no B612, uma comunidade do orkut  chamada “O Pequeno Príncipe” onde todas nós quatro participamos.

A  Andréia Sartief, nossa queria “Déia” é que hoje nos dá o privilégio de ter aqui no Giz uma randômicas que ela postou na comu.

01. Hoje lembrei das cores.
02. Das cores que já vi.
03. Das cores que já vivi.

04. Das cores que ainda vejo.
05. Das cores que ainda vivo.
06. Das cores da esperança.
07. Das cores que vem da alegria.
08. Que hoje encanta o meu dia.

09. Do manto que nos cobre encontro o azul.
10. Laranja sol nascente.
11. Laranja sol poente.

12. Cores belas que aquecem o tumtumtum da gente.
13. Verde das matas extensas.
14. Com pontos multicolores.
15. Que mostram as flores exuberantes.
16. Que exala o perfume na alma da gen
te.
17. Brancas nuvens vem apresentando.
18. Fazendo criar figuras interessantes.
19. Nuvens cinzas vem formando.
20. Chamando raios e trovões estrondantes.

21. O preto parece tudo escurecer e assustar.
22. Mas com outros olhos também pode enxergar.
23. Noites que às vezes acalentam a dor.
24. Amarelo parecem estrelas.
25. Pisca pisca dos brilhos intensos.
26. Que mostra poesia dentro da gente.
27. Hoje lembrei das cores…
28. Cores que não saem da mente.
29. Com ou sem olhos elas vão sempre estar presentes.
30. Deus vem dando estas cores.
31. Que faz a gente sorrir.
33. Que faz a gente colorir.
34. Tudo que se passa na vida da gente.
35. Mesmo elas, às vezes parecerem opacas.
36. Um dia elas vem intensas.
37. Hoje lembrei das cores…
38. Cores que ainda vivo.
39. Cores que levo aqui dentro.
40. Luzes que dentro de mim elas apresentam.
41. Do vermelho tumtumtum pulsante.
42. Que aqui venho esquentar esta gente!

É lindo não é? Sábia Déia… que mesmo sendo privada de vislumbrar as cores da vida, já possui em sua alma uma vida de cores!  Obrigada mesmo!

Giz Colorido


Colorindo

É hora de mudança

de por a arte na frente

e tirar a caixinha de giz do armário

É hora de sair do casulo

e buscar o belo prazer da vida

sem remoer perdas

sem guardar mágoas

É hora de ser artista

de abusar do giz colorido

com matizes bem vibrantes

É hora de respirar o ar puro

de cantar a alegria

de descobrir o sublime

e sair por aí, colorindo a vida.

Luiza