Apreciação

nunca converse com estranhos

nunca converse com estranhos. encontre-os. assim todos os presságios viram boas surpresas. e enfim se descobre que os lenços e ainda mais os documentos são dispensáveis. ficam bem em cima da mesa. encontre-os. com destreza. mas uma destreza sincera. com seus fios vermelhos e seus espirros incansáveis. encontre-os. porque os estranhos são intermináveis. deixe um estranho carregar o seu casaco. até um fio vermelho ser roubado por ele. e depois cicatrizar. nunca converse com estranhos. encontre-os. os estranhos são passíveis de amar.

(scapin)

—————————–


só se jogue do alto do prédio. se portar um bom pára-quedas. ou se lá em baixo é um breu. só se jogue do alto da torre. se tiver um bom controle. pra pousar no beijo meu. se jogue no lago. na armadilha. com alguém do lado. caia numa trilha. o tombo termina sempre em pedra ou em mar. se jogue num rastro. na cachoeira. pule do penhasco. eira nem beira. o tombo termina sempre em pedra ou em mar.

(scapin)

My space: http://www.myspace.com/octavioscapin

[ Aprecio esse moço! Sua voz, música, escrita, poesia.  Ando com muitas palavras na mente, mas quase nenhuma na ponta do lápis. Fazendo uma revisão do ano que está findando…  A música e a poesia sempre me acompanham nessa  jornada e dessa vez é o Scapin que tem pontilhado meu percurso de claridadezinhas…  Sem mais, espero que ao conhecer o seu trabalho,  gostem tanto quanto eu. Ou mais.]

Lice às 02:37 pm

Anúncios

Não te esquecerei um dia, nem um dia…

Um dia frio

Um bom lugar prá ler um livro

E o pensamento lá em você

Eu sem você não vivo

Um dia triste

Toda fragilidade incide

E o pensamento lá em você

E tudo me divide

Longe da felicidade e todas as suas luzes

Te desejo como ao ar

Mais que tudo

És manhã na natureza das flores

Mesmo por toda riqueza dos sheiks árabes

Não te esquecerei um dia

Nem um dia

Espero com a força do pensamento

Recriar a luz que me trará você


Uma música romântica, para um dia de friozinho, um dia que a saudade chega a machucar e o coração bate lento e apertado.

Mas é também uma música que mostra o amor numa forma pura (e FORTE), mostra a forma humana com esperança e desejo…

… e mostra o amor como luz, como cores, que dão vida… e isso que amar significa: vida!


Lu

Para a dona de um raro coração!

Hum… um dia especial, um post especial aqui no GIZ…

Lice… uma mulher incrível, nascida nesse dia há 25 anos atrás somente, e já faz parte de mim…

Uma amiga incrível, que sabe ouvir, que sabe aconselhar…

Uma escritora incrível, que sabe emocionar, sabe ser sensível

Uma espiã e tanto, que junto com a Beca forma as três espiãs e me completam!

Um coração puro, uma alma iluminada…

Exagero? NENHUM!

A Lice é tuuudo isso e mais um pouco!

Uma amiga que aprendia a AMAR e que mesmo “longe” está sempre perto!

Feliz Aniversário, Lice…

Tudo de mais incrível pra você!

Lu

A Lice é uma menina encantadora, linda, alegre e especial. É um exemplo de pessoa rara e que faz a diferença na vida de muitas outras. Ela é dona de um coração enorme que enche de amor e paz as pessoas que estão do lado dela, mesmo que distantes. E eu felizmente sou uma dessas pessoas.

Hoje é um dia muito especial!!!! Comemoramos com muito alegria mais um aninho de sua vida tão importante  para nós!

Desejo todas as coisas melhores que podem existir nesse mundo pra vc, Lice!!!

Muito amor, muita paz, muita saudade, muitos sonhos realizados, muita felicidade…MUITA VIDA BEM VIVIDA PRA VOCÊ!!!

E agradeço de todo o coração poder dizer que você é minha amiga querida.

Hoje a festa é NOSSA!!

Muitos beijos e abraços que um dia darei em vc pessoalmente.

Eu te amo!

Beca.

Presente grande de Deus pra mim!

Liu… quero hoje afirmar meu amor, minha admiração e minha gratidão à Deus por te ter.

Uno-me à Lu e à Beca pra festejar a sua vida que faz parte da nossa.

Te amo fre….  Alice da minha vida! Kkk.

As palavras ficam poucas… mas em breve elas calam no abraço apertado.

Te amo!

Rê.

A alegria mais colorida pra você!!!!

Quem pretende revogar a lei do coração?

Gostaria de compartilhar uma música, que hoje não saiu da minha cabeça e que eu adoro da Marisa Monte, a música “A primeira pedra”…


Atire a primeira pedra

Quem não sofreu, quem não morreu por amor

Todo corpo que tem um deserto

Tem um olho de água por perto

Para ouvir basta abrir os poros

Para aceitar basta oferecer

Para quê adiar um desejo

De alguém que lhe quer tanto beijo

Quem de vocês

Resiste a uma tentação

Quem pretende revogar a lei do coração?

Quem ousaria

Dessas vozes duvidar?

Deixa a sua natureza se manifestar


Sintam…

Lu

A melancolia de Florbela

Talvez…

“A esta hora branda d’amargura,

A esta hora triste em que o luar

Anda chorando, Ó minha desventura

Onde estás tu? Onde anda o teu olhar?

A noite é calma e triste… a murmurar

Anda o vento, de leve, na doçura

Ideal do aveludado ar

Onde estrelas palpitam… Noite escura

Dize-me onde ele está o meu amor,

Onde o vosso luar o vai beijar,

Onde as vossas estrelas co fulgor

Do seu brilho de fogo o vão cobrir!

Dize-me onde ele está!… Talvez a olhar

A mesma noite linda a refulgir…”


Há momentos na vida que certa dose de dramaticidade é fundamental para não pirarmos e não renegarmos nossa veia humana.. o humano falha, o humano sofre… e, demonstrar um sentimento pela poesia é mais digno do que entregarmos nossa alma no silêncio.

Como um dia eu disse pra Lice… “se é para ser arte, que seja boa, mesmo que sofrida!”

E isso fez Florbela, com sua poesia, impõe sua alma, numa arte melancolicamente deliciosa e dramática “até o último fio de cabelo”.

O tema melancolia é muito usado nas Artes… muitas são as obras que retratam o sentimento melancólico, acredito que numa forma de fuga, em que a dor é arrancada através da materialização… o exemplo é o expressionista E. Munch, famoso pela sua tela “O grito”, também produz essa obra, “Melancolia”.


Quem me conhece sabe que eu não sou dramática, mas adoro o gênero… rs, mas acho que um ser humano que conhece Florbela já se identificou em algum momento com alguma citação.


Entao, vamos à Florbela Espanca!

“Quem me dera encontrar o verso puro,

o verso altivo e forte, estranho e duro,

que dissesse a chorar isto que sinto!”

Poetiza portuguesa que viveu no inicio do século passado, filha bastarda, “vítima” de vários casamentos mal-sucedidos, estudou Letras e Direito. Sua poesia recorre sempre a temas de solidão, desencanto, mas sempre com ternura e desejo, refletindo sua melancolia pessoal, numa linguagem passional e sensual.

Ela não se ligou formalmente a nenhum movimento literário, mas estudiosos a encaixam no Neo-romantismo…

Cegueira Bendita

“Ando perdida nestes sonhos verdes

De ter nascido e não saber quem sou,

Ando ceguinha a tatear paredes

E nem ao menos sei quem me cegou!

Não vejo nada, tudo é morto e vago…

E a minha alma cega, ao abandono

Faz-me lembrar o nenúfar dum lago

´Stendendo as asas brancas cor do sonho…

Ter dentro d´alma na luz de todo o mundo

E não ver nada nesse mar sem fundo,

Poetas meus irmãos, que triste sorte!…

E chamam-nos a nós Iluminados!

Pobres cegos sem culpas, sem pecados,

A sofrer pelos outros té à morte!”


Em 1930, a poetiza descobre que sofre de Edema Pulmonar, e então, ingere dois frascos de Veronal, causando sua morte, no dia em que completaria 36 anos.

“E se um dia hei-de ser pó,cinza e nada

Que seja a minha noite uma alvorada,

Que me saiba perder… pra me encontrar…”

Acho que não preciso acrescentar nada, né?

Lu

Prece

Querido Deus,

(…)

Leva-me… Mesmo sem eu merecer. Leva-me aonde é difícil chegar pelas pedras na estrada ou pelo descrédito de que consigo. Acreditas em mim e por mim. Acreditas que chegarei quando nem sequer saí do lugar. Dás o primeiro passo sempre… para me inspirar confiança e certeza da Tua presença no caminho. Vês além quando estou confusa com os obstáculos ou cansada pelo sol. És também a minha sombra. Tudo o que eu sou ainda é sempre pouco se contemplo ligeiramente quem Tu és. Se me detenho em Ti, desapareço, pois Tua imensidão me toma e completa. E daí vem à súplica: Mesmo sem eu merecer, não desistas de mim. Se bem, que eu mesma sei que nunca desistirias, afinal desistir não é próprio de um amor como o teu. Gratuito.

Ousaria roubar as palavras de Camões para dizer-Te que se “amar é um estar-se preso por vontade”, prende-me a Ti com os laços da tua amizade fiel, da tua alegria constante, prende-me no teu abraço que renova, na tua Palavra que conforta, no teu Olhar que desarma, no Teu silencio que fala.

Leva-me…

Confio em Ti!

Com carinho: Alice

Lice às 08:44 am